Células-tronco são usadas em estudo para tratar a covid-19; Ideia é diminuir internações e sequelas

Foto: reprodução/TV Brasil

Pesquisadores do Paraná deram início a um estudo pioneiro que usa células-tronco como alternativa no tratamento de pacientes com a covid-19. O estudo piloto conta com 15 pacientes, todos com histórico de internação em UTIs em razão da doença causada pelo novo coronavírus.

O estudo tem o objetivo de introduzir células tronco, derivadas do cordão umbilical, em pacientes já infectados com a doença, com a finalidade de aumentar a resposta imunológica e diminuir as sequelas deixadas após a recuperação.

Em entrevista à Agência Brasil, o coordenador do Núcleo de Tecnologia Celular da PUCPR, Paulo Brofman, explicou que a covid-19 manifesta diferentes sintomas nos pacientes infectados, que podem apresentar desde quadros leves até ao comprometimento da capacidade pulmonar, que leva à necessidade de intubação e apoio de prótese artificial ou de respiradores.

Brofman afirmou que outros estudos científicos já comprovaram que células-tronco cumprem função imunomodeladora e anti-inflamatória no pulmão.

“A gente tem esperança que isso possa diminuir muito essa reação inflamatória, encurtando o tempo de necessidade de intubação e do uso do respirador, e impedindo que a lesão que fica instalada no pulmão, após a agressão por essas citocinas inflamatórias, não deixe cicatriz muito grande”, disse.

Os testes são feitos a partir da injeção de 500 mil células por dia, dividias em 3 dosagens. “Um paciente recebe, aproximadamente, 1,5 milhão de células por quilo de peso“, afirmou Paulo Brofman. As infusões são feitas com intervalos de até 24 horas e ministradas em conjunto com o protocolo de tratamento convencional.

PRÓXIMAS ETAPAS

Encerrada a fase piloto, o estudo busca ampliar as investigações para 60 pacientes do Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Bahia e Paraná.

Os pesquisadores aguardam a aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e a liberação de financiamento pelo Ministério da Saúde e o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).

Contudo, Paulo Brofman afirma que, mesmo que a resposta seja positiva com os 60 pacientes, o tratamento não poderá ser ampliado para demais pessoas com a covid-19. “O problema é que nós temos milhares de pacientes da covid e não vamos ter, provavelmente, células para essa quantidade enorme de pacientes que estão internados em UTIs”, explicou.

Poder360 com informações da Agência Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close